OLHAR PEDAGÓGICO

Dicas


Espaço onde encontram-se saberes e fazeres da área educacional.



O Desenvolvimento Cognitivo da Criança

Daniella Magnini Baptista
Pedagoga


A palavra cognição tem origem nos escritos de Platão e Aristóteles e significa o ato ou processo de conhecer, que envolve atenção, percepção, memória, raciocínio, juízo, imaginação, pensamento e linguagem.

A cognição é derivada da palavra latina cognitione, que significa a aquisição de um conhecimento através da percepção. Devido a esse fato é que a cognição é mais do que a aquisição de conhecimentos, é também um mecanismo de conversão do que é captado para o nosso modo de ser interno com relação ao meio em que vivemos.

Um fator importante para a aquisição desses conhecimentos é a própria aprendizagem sem a qual não seria possível tornar factível o desenvolvimento em tempo real e verdadeiro da aquisição de objetivos. Especialistas no assunto preocupados com os diversos modelos de aprendizagem criaram teorias nas quais a própria aprendizagem se encarrega dos processos de cognição através de estratégias.

Vale lembrar que embora desde a Grécia Antiga tenham sido formuladas diversas teorias sobre a aprendizagem, as mais utilizadas na educação contemporânea são a de Jean Piaget e a de Lev Vygotsky.

Para Piaget em sua Teoria de Epistemologia Genética, o conhecimento é construído através da interação do sujeito com o meio, a partir de estruturas existentes. Segundo sua teoria todo desenvolvimento obedece estágios hierárquicos que iniciam e decorrem do nascimento e se consolidam aos 16 anos. São eles:

Estágio sensório-motor (do nascimento aos 2 anos) - a criança desenvolve um conjunto de esquemas de ações sobre os objetos, que lhe permite construir um conhecimento físico da realidade. Nesta etapa desenvolve o conceito de permanência dos objetos, constrói esquemas sensório-motores, é capaz de fazer imitações construindo representações mentais cada vez mais complexas em que o contato com o mundo é através da figura materna e seu pensamento é sincrético.

Estágio pré-operatório (dos 2 aos 6 anos) - a criança inicia a construção da relação causa e efeito, bem como das simbolizações. É a chamada idade dos porquês e do faz-de-conta onde com a estruturação do egocentrismo na formação de pequenos grupos ocorre a crise da oposição, da consciência e da hipertrofia do ego. Os interesses são imaginativos e as tentativas de controle das pautas emocionais são uma característica marcante.

Estágio operatório-concreto (dos 7 aos 11 anos) - a criança começa a construir conceitos através de estruturas lógicas, consolida a conservação de quantidade e constrói o conceito de número. Seu pensamento apesar de lógico, ainda está preso aos conceitos concretos não fazendo ainda abstrações e quanto a questão de dominância apresenta o conhecimento dos fatos participando socialmente do grupo escolar e infantil e descobrindo o que chamamos de estabilidade emocional onde a descoberta do superego influencia na estabilidade emocional.

Estágio operatório-formal (dos 11 aos 16 anos) - fase em que o adolescente constrói o pensamento abstrato e conceitual, conseguindo ter em conta as hipóteses possíveis, os diferentes pontos de vista e sendo capaz de pensar cientificamente. Apesar da possível pseudo-regressão emocional, a necessidade da turma e da equipe para afirmação e interação social é uma constante diante da crise de originalidade, afirmação e consciência do Eu profundo na busca da personalidade adulta. A objetivação de valores e de idéias remete a volta da subjetividade e turbulência pubertária onde a valorização expressiva é emocional.

 

Com tudo isso, conclui-se que na concepção piagetiana, a passagem de um estágio a outro estaria dependente da consolidação e superação do estágio anterior. É importante ressaltar que os estágios agem como mecanismos denominados de “equilibração das estruturas mentais”, ou seja, a transformação de um conhecimento prévio em um novo, forma a base da aprendizagem e do desenvolvimento cognitivo da criança.

Para Vygotsky em sua Teoria do Sócio-Interacionismo, o conhecimento é construído através das interações do sujeito com o meio e com o outro, como desencadeador do desenvolvimento sócio-cognitivo. Segundo sua teoria todo desenvolvimento é impulsionado pela linguagem o que torna possível ver o homem como ser biológico, histórico e cultural. Para ele o desenvolvimento está atrelado obrigatoriamente a aprendizagem e é o próprio processo de aprender que gera e promove as estruturas mentais enquanto para Piaget a estruturação do organismo precede o desenvolvimento.

Tanto na teoria piagetiana onde o desenvolvimento cognitivo é uma teoria de etapas, como na teoria sócio-interacionista onde o desenvolvimento cognitivo passa por processos e fenômenos psíquicos, o importante é reconhecer que tanto a escola como a família devem promover a descoberta e a construção do conhecimento estimulando a capacidade de análise crítica, a criatividade na solução de problemas e estimular a autonomia e o gosto pelo saber.

*Reconhecer nos educadores um personagem da mediação do conhecimento, ora criando dificuldades ora resolvendo problemas, faz com que a criança perceba suas potencialidades e desenvolva seu aspecto cognitivo encontrando na família a segurança, a confiança e o amor necessários para construir sua identidade e autonomia.

O desenvolvimento cognitivo da criança para ser pleno necessita acompanhar os aspectos afetivos, sociais e psicomotores, pois com isso é possível transformar a visão de mundo infantil em divertidas descobertas criando vínculos entre a família, a escola e a sociedade.  


(Publicado em 07/03/2010)



É permitida a reprodução dos textos para uso não comercial, desde que citada a fonte e o autor.